Notícias

Renê faz piada com gravidade das denúncias contra a PMJP e toma resposta que será difícil de engolir

O líder da base governista na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), Helton Renê (PCdoB), ignorando a gravidade das denúncias que implicam a Prefeitura Municipal de João Pessoa às maracutaias na obra da Lagoa, foi tirar uma onda com o caso e com a oposição. Disse Renê: “A montanha pariu um rato”, minimizando as denúncias.

A zombaria do fiel escudeiro de Luciano Cartaxo se referiu aos documentos perturbadores apresentados pela oposição em coletiva de imprensa realizada ontem, que comprovam a participação de familiares do secretário de Infraestrutura, Cássio Andrade, na obra, e indicam fatos estranhos que levam a crer que o dinheiro desviado poderia ter ido parar na campanha de Lucélio Cartaxo em 2014.

Renê levou uma resposta que será difícil de engolir: “Tenho que concordar com o líder do prefeito Cartaxo: a montanha de lixo da Lagoa pariu um rato, ou melhor, uma ratazana, ou duas ratazanas, ou, quem sabe, duzentas mil toneladas de ratazanas”, afirmou Bruno Farias (PPS), líder da oposição.

Talvez fosse melhor ficar calado, mas, amparado por nota da Caixa Econômica Federal, Renê acreditou que uma piada seria a melhor colocação para defender a gestão e tentar abafar a avalanche de desconfiança quanto à transparência da gestão de Cartaxo – atributo que o prefeito teima em colocar como sendo a principal marca de seu governo. A nota esclarece que decisões não são tomadas individualmente, mas por equipe multidisciplinar, comprovando cabalmente que a esposa do secretário de Infraestrutura Cássio Andrade participou sim das liberações dos recursos, contradizendo o que alegou o auxiliar no início do mês.

Sobre ela, Farias arrematou:

“A nota da CEF desmonta o discurso da gestão. Antes, o secretário Cássio Andrade afirmava que a sua esposa tinha se averbado suspeita e que não tinha participado de nenhuma fase do processo da Lagoa. Agora, diante dos documentos que revelamos e da própria Nota da CEF, a gestão admite que a esposa do Secretário participou da liberação do pagamento. Pode até não ter participado sozinha, mas a sua participação, independentemente de ser solitária ou conjunta, é inquestionável. Além disso, a nota da Caixa transfere toda a responsabilidade da obra para a PMJP, que é a proponente/tomadora do convênio.”

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>